Confira os
Mitos e verdades

Mitos e verdades

Há muita especulação acerca dos simuladores de direção e, sobretudo, a respeito da eficácia e da importância dessa ferramenta para a formação de condutores. Por isso, reunimos aqui alguns mitos e verdade sobre o tema, para esclarecer dúvidas e, principalmente, desmistificar informações que, muitas vezes, são passadas sem a devida responsabilidade. Confira!

1. O simulador torna o processo de obtenção da CNH mais caro.

Mito - O custo para o aluno não sofre alteração, pois não há aumento da carga horária de aulas. O que ocorre é uma substituição: ao invés de fazer todas as aulas práticas em vias públicas, parte delas são aplicadas no simulador. Para o CFC há a possibilidade de redução de custos de aquisição, operação e manutenção do equipamento, ao se comparar com os custos de um veículo real.

2. O uso do simulador veicular aumenta a segurança no trânsito.

Verdade - Isso ocorre porque o equipamento treina o autocontrole e a segurança dos condutores em situações, em ambiente controlado, que simulam a realidade das ruas e estradas, como chuva forte e neblina, por exemplo. Também são simuladas situações adversas e de risco, às quais o futuro motorista não poderia ser submetido com segurança nas aulas práticas em vias públicas, como aquaplanagem e ultrapassagens.
O Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do Rio Grande do Sul, primeiro estado a implantar os simuladores, fez um estudo sobre a eficácia do equipamento na formação dos motoristas. As pesquisas, segundo o Sindicato, comprovaram que o simulador veicular reduz acidentes em até 50%, e aumenta a segurança no trânsito.

3. Não há dados que comprovem a eficácia do uso do simulador.

Mito - Pesquisas realizadas na Holanda, na Universidade Politécnica de Madri (Espanha) e em uma das mais conceituadas universidades do mundo, a de Iowa, nos Estados Unidos, definem os simuladores como ferramentas de alta precisão, que recriam a experiência de dirigir.
No Brasil, o sindicato dos CFC’s do Rio Grande do Sul, fez uma análise que demonstrou que os alunos que se formaram com cinco aulas no simulador de direção foram aprovados no primeiro exame e fizeram em média 20,22 aulas e os alunos que não realizaram aulas no simulador foram aprovados com uma média de 34,9 aulas e 3,27 exames.
Outros resultados obtidos no Acre, na Paraíba e em Alagoas, confirmam a redução no número de reprovação no exame de prática de direção veicular, indicando que os candidatos chegam mais preparados e seguros à fase final do processo de habilitação.

4. Só no Brasil ele é obrigatório.

Verdade - Apesar disso, o simulador de direção veicular é uma realidade mundial. Estados Unidos, Austrália, Reino Unido, Nova Zelândia, Holanda, Espanha, Japão, Tailândia, China, França, Portugal, República Tcheca, Irlanda, Rússia e Eslováquia são alguns dos países que utilizam os equipamentos na formação de seus condutores e tiveram queda significativa no número de acidentes entre novos motoristas. Os órgãos reguladores dessas nações perceberam que o aprendizado por meio da condução simulada é a melhor alternativa para formar condutores conscientes, que não ofereçam grandes riscos ao trânsito, uma vez que foram treinados em situações controladas, mensuradas e seguras.

5. Não houve discussão sobre o assunto.

Mito - O tema é debatido desde 2009 em Câmaras Temáticas, Fóruns Consultivos e em diversas Audiências Públicas realizadas na Câmara Federal. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) visitou diferentes Detrans de todo o país, além de Sindicatos de Autoescolas locais, para que as particularidades regionais fossem contempladas com a regulamentação do simulador. Já no âmbito acadêmico, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) realizou estudos, debates e promoveu discussões envolvendo a Federação Nacional das Auto Escolas e Centro de Formação de Condutores (FENEAUTO), Sindicatos Regionais e autoescolas.

6. É na rua que se aprende de verdade. Aulas no simulador não trazem os mesmos benefícios que as aulas práticas.

Verdade - Nas aulas práticas, aluno e instrutor estão permanentemente envolvidos com motoristas e demais elementos do trânsito e sofrem diversas influências, sejam elas climáticas, relacionadas à trafegabilidade da rua e até mesmo de segurança, já que a qualquer momento pode ocorrer um assalto ou um acidente. Além disso, ficam vulneráveis a interferências inesperadas, como pedestres que não respeitam a sinalização, animais que transitam livremente nas ruas e interdição imprevista de vias.
A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (ABRAMED) fez uma experiência com simuladores no X Congresso Brasileiro sobre Acidentes de Tráfegos. O resultado foi: 94% dos médicos e psicólogos disseram acreditar que o uso dos simuladores ajuda na formação de novos condutores e 77% acreditam que os alunos se sentem mais seguros para ingressar nas aulas práticas depois de passar por eles. A pesquisa ainda revelou que o uso dos simuladores é capaz de deixar o aluno até 90% pronto, porque, com as aulas no aparelho, ele pode desenvolver habilidades motoras e sensoriais para enfrentar melhor situações difíceis no trânsito.

7. Todo conteúdo teórico é colocado em prática no simulador.

Verdade - As aulas do simulador foram desenvolvidas por especialistas em educação de trânsito, pedagogos, médicos, psicólogos, engenheiros de tráfego, climatologistas, desenvolvedores 3D, matemáticos e físicos. Com base em todo o conteúdo teórico que o aluno deve aprender, esses profissionais adaptaram a grade pedagógica com o intuito de proporcionar ao candidato uma experiência diferenciada e prévia sobre as regras básicas de condução do veículo, contribuindo assim, com a familiarização dos equipamentos do veículo e com as normas de circulação e de conduta. Além disso, contribui com a adequação aos vários estilos de aprendizagem e compreende diversas situações que podem ocorrer na prática da direção.

8. O simulador só serve para formar novos motoristas.

Mito - O conteúdo pedagógico disponível no simulador de direção é eficaz não somente no processo de formação de condutores, como também no treinamento, capacitação, aprimoramento e reciclagem de motoristas profissionais. Principalmente para quem tem medo de dirigir ou se sente inseguro em enfrentar determinadas situações nas ruas, o equipamento é uma excelente ferramenta, pois permite que o condutor “erre” quantas vezes forem necessárias até atingir seu objetivo – seja ele dirigir à noite ou fazer baliza.

9. O simulador torna mais lento o processo de obtenção da CNH.

Mito - Na verdade, justamente por possibilitar ao aluno fazer aulas noturnas em qualquer horário do dia, treinando sua segurança sem se expor aos riscos dessa prática nas vias públicas, o simulador acelera o processo de obtenção da CNH.

10. Mais que uma ferramenta pedagógica, o simulador de direção faz o Brasil se aproximar de grandes potências mundiais no que diz respeito à tecnologia e inovação.

Verdade - O equipamento não só oferece a oportunidade de intensificação dos processos de aprendizado, padronização e controle da formação do condutor, como também proporciona, por meio da alta tecnologia, a inclusão de pessoas e lugares que não teriam acesso a um nível tão alto de informação e inovação. Por ser o Brasil um país de dimensões continentais, é incrível pensar que, do Oiapoque ao Chuí, milhares de condutores têm à disposição um equipamento altamente tecnológico, alinhado às principais tendências mundiais de simulação de realidade.